Quarta-feira, 15 de Agosto de 2012

Cavaleiro... procura-se...

Conforme apareceste um dia...

Desapareceste noutro...

Sem deixar pistas,

Um nome,

Um rosto,

Uma sombra,

Um cheiro...

 

E durante meses me habituei

A ler-te

A sentir cada palavra

Escrita com alma

Com fervor

Revolta e paixão

Dor e admiração

 

Guardei todos os teus poemas

Um a um...

Para ler quando quiser

Quando estou triste

Nostálgica

Perdida

 

Obrigada por cada texto

Do coração te agradeço Cavaleiro

Sejas tu quem fores

E não pares de escrever nunca...

Seria uma perda grande...

 

Até sempre...

publicado por SRock às 10:43
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 16 de Agosto de 2012 às 18:20
Concordo plenamente
De Cavaleiro Andante a 17 de Agosto de 2012 às 00:22
Desce o pano…
O palco fica vazio
Lá dentro fica somente um actor
Mascarado de personagem idílica
Isento de erros, sem defeitos ou receios
Que desafia as leis da física

Sai de cena…
O actor tira o figurino
E com ele cai a personagem
Vai interpretar a sua peça
Uma “vida” que recomeça
Que persegue como uma miragem

Sente que faltaram palavras
Pedidos de desculpa
Por ter entrado sem permissão
Por ter permanecido na penumbra
Por não ter dito adeus

Sente que ficaram versos
Que desconhecia saber escrever
Letras traçadas no céu
Rasto de estrelas para alguém ler

Abandona o teatro no meio da cidade…
Ao sair observa a lua...
Espera que nunca venha a ser roubada
E que inspire a criação, em noite enfeitiçada
Sorri para ela e parte…
Em busca da felicidade

Até sempre
De SRock a 17 de Agosto de 2012 às 09:53
Obrigada por teres respondido...
Respeito a retirada...
Desejo que a tua lua tb não deixe de brilhar
Guardo as letras deixadas nos rastos das estrelas...
Deixo o desafio para uma tertúlia de poesia
Última 6ª feira de Setembro, 22 hrs, Restaurante Adamastor, Parque das Nações, zona Sul...
De Aquele que escuta a 17 de Agosto de 2012 às 12:56
Caro Cavaleiro,

Não vá, fique!
diremos todos, quase em uníssono,
Mesmo mascarado, mesmo fictício,
O prazer da leitura que nos proporciona é inenarrável.

Um dia, pedi para que fosse o mote e não a resposta
hoje, reitero o pedido.

As palavras que sente faltar,
que sirvam de catapulta,
mesmo que o almejado, não seja alcançado,
alimentam a alma, iluminam a lua, brilham neste espaço.

prova maior do que afirmo,
é este poema que reclama pela ausência d'O Cavaleiro,
Aqui, poderemos ser quem queremos
até já
De SRock a 27 de Setembro de 2012 às 21:15
A tertúlia deste mês foi adiada...

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Luta de silêncios

. ...

. Fugiste daqui

. Não sei quem quero ser…

. Por tudo...

. O que sinto…

. Mesmo antes de acordar

. Caminho...

. Um desejo de Natal

. Sonhos…

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2014

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

blogs SAPO

.subscrever feeds