Terça-feira, 22 de Maio de 2012

Sem palavras no teu abraço...

Tropecei em traços

Riscados na senda

Da minha vida

 

Teci véus de seda

Para me esconder

Da sombra que fingi não ter

 

Entreguei tudo

Sismos da alma

Desmoronamentos do meu chão

 

Rasguei desilusões

Enterrei mágoas

Evaporei tristezas

 

Atirei palavras para longe

Afoguei parte de mim

No meu mar dos tormentos

 

Engoli soluços

Digeri escolhas

Feitas por mãos invisíveis

 

Descalcei-me de certezas

E caminhei assim...

Sem a luz da estrela polar

 

E eis-me aqui...

Grata pelo teu sorriso

Apaixonada pelo teu beijo

Sem palavras no teu abraço...

publicado por SRock às 00:06
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Maio de 2012

Viva la Vida

As luzes brilhavam

Em todas as cores

Aos milhares e milhares

Ao ritmo da música

 

Rostos de vários feitios,

Olhos de cores diferentes,

Braços elevados no ar,

Aplaudiam em uníssono

 

Senti cada batida

Cada acorde

Cada palavra

A ecoar dentro do meu peito

A fazer-me estremecer

 

Olhei para o céu

E agradeci ao Universo

Por estar ali...

Por poder voltar a sentir

A pular, a cantar, a dançar

Podia não ter sido possível...

Dias antes interrogava-me...

 

'Nobody said it was easy'

Um arrepio percorreu-me

Vértebra a vértebra

Pedaço a pedaço do meu corpo

 

'No one ever said it would be this hard'

Nunca ninguém nos diz...

Vai ser fácil ou difícil...?

O importante é viver

Só assim saberemos responder...

 

Ontem à noite

'I've dreamed of paradise'

Onde o calor humano

Aquecia uma noite mais fria

 

Ao deitar já de madrugada

As minhas pálpebras fecharam-se

Sorri e pensei:

'Viva La Vida'

publicado por SRock às 18:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Maio de 2012

Esta manhã...

Não sei se a estrela da manhã me aquecia

Ou se se escondia atrás de nuvens...

Não sei se o vento assobiava

Ou se acanhado não se fazia ouvir...

 

Esta manhã...

Não sei se era Verão ou Inverno

Se os rios corriam para o mar

Ou se o canto das sereias

Enfeitiçava marinheiros

 

Não sei se cheirava a flores

Se as andorinhas voavam

Se ainda era Primavera

 

Esta manhã...

Não me lembro se respirava

Ou se sustinha o ar que me alimenta

Não me lembro se o meu sangue

Corria desenfreado

Ou se hesitava e ficava quieto

 

Mas sei que pegaste em mim...

Como se eu fosse um novelo de lã

Delicado e macio

Enrolado na palma da tua mão

Entregue a ti...

 

Esta manhã...

Só consegui ver os teus olhos

Como dois berlindes brilhantes

Que me penetravam,

Trespassavam,

Me deixavam nua, sem véu...

 

Só consegui sentir o teu sopro

Donde brotavam palavras cantadas...

Gemidas num bafo quente

Capaz de me derreter

Como uma pedra de gelo esquecida ao sol

 

Esta manhã...

O único odor que me envolvia

Era o da tua pele

Embrulhada na minha

Em encaixes perfeitos

 

E em movimentos ritmados

Dançámos a mesma música

Tocada por tambores alvoraçados

Que nos furavam o peito

Que pediam que o tempo parasse

E não levasse com ele

Esta manhã....

publicado por SRock às 22:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 12 de Maio de 2012

Uma amena tarde de Maio

Pareciam de algodão

Em forma de gomos de laranja

Ou de limão…

 

Olhava para elas

E via que o sol tentava rompê-las

 

Como eu quando tento rasgar

As cortinas de distância

Que ocupam sem piedade

O espaço entre nós dois

 

Mas as nuvens derretiam-se

Com tão quentes raios de luz ardente

Que aqueciam o areal onde me deitava

 

Ao longe as ondas enrolavam-se

Na música que vinha do bar

E eu estava no meio deste embalo

 

Imagens de nós dois dançavam

Nos meus olhos fechados

 

Quase que sentia o teu cheiro

A esvoaçar à minha volta

Na brisa que me varria a pele

Como plumas macias

Feitas do mesmo molde dos teus dedos

 

E numa amena tarde de Maio

Foi assim que encurtei

Caminhos sinuosos

Que te deixam longe

Da minha praia…

publicado por SRock às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

Quero ficar assim...

Quero ficar assim

Presa a ti

Por fios invisíveis

Tocados numa guitarra

Que grita notas de paixão

 

Quero ficar assim

Livre nos pensamentos

E nos sonhos

Livre nos sorrisos que desenho

 

Quero ficar assim

Enroscada no calor dos teus dedos

De olhos abertos ou fechados

Em momentos que imagino

Ou que me deixam marcas na pele

 

Quero ficar assim

Perdida no labirinto do teu abraço

Onde só encontro a entrada

E onde perco a saída que não procuro

 

Quero ficar assim

Sentir que flutuo

Tendo os pés colados ao chão

 Deixar uma madeixa do meu cabelo

Caída no teu peito, desalinhada

 

E é assim que quero ficar

Devolvida à praia

Depois duma onda me arrastar…

publicado por SRock às 23:22
link do post | comentar | favorito
|

Um mundo que não era meu...

Descruzei as pernas

Levantei-me e sacudi a areia

Que se tinha colado à minha pele

Enterrei os pés descalços

Nos grãos soltos e frescos

Que formavam dunas ao meu redor  

 

Não sentia nada debaixo deles

Apenas um vazio

Uma espécie de abismo

 

Mordi a ponta do indicador

Para ter a certeza de que não sonhava

E senti dor

Sim, estava acordada...

 

Mas onde?

Olhei em frente

E ao longe

Até onde os meus olhos

Conseguiam deslizar

Vi apenas um risco laranja

Traçado num escuro de azul celeste

 

Era um traço ondulado

Que se movia

A cada sopro de vento

Formando letras soltas...

 

Dormente de alto a baixo

Foi como me senti de seguida

Sensação boa e única

Que se sente sem se sentir mais nada

 

Ao longe uma voz...

Não! Um sussurro...

Não percebi o que dizia

Mas aproximou-se devagar

Em forma de vulto de luz

 

Pegou-me como se fosse uma pena

E soprou-me...

E flutuei em espirais perfeitas

E por instantes

Fiz parte dum mundo

Que não era meu...

 

publicado por SRock às 17:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Maio de 2012

Princesa guerreira...

Num segundo caí

Como se tivesse sido alvejada

Por bala perdida sem direcção

Derrubada... sem forças...

Por um sopro que não era de luz...

 

Há seis noites que durmo

Numa cama que não é minha

Com lençóis de branco imaculado

Onde não habitam os meus sonhos

 

Mas sim...

As minhas asas estão a ganhar força

Dia após dia

Bem devagar...

 

Anjos de bata branca

Aliaram-se à minha batalha

E lutam como se fosse deles

Munidos de todas as armas que possuem

 

E eu, chamada por alguns

De princesa guerreira

Já sorrio...

 

E apesar de ainda não ver o sol

Nem a cor do céu

Já os vislumbro... já os sinto perto

E para lá esvoaço

Como se do ninho fosse sair pela primeira vez...

publicado por SRock às 22:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Luta de silêncios

. ...

. Fugiste daqui

. Não sei quem quero ser…

. Por tudo...

. O que sinto…

. Mesmo antes de acordar

. Caminho...

. Um desejo de Natal

. Sonhos…

.arquivos

. Abril 2015

. Março 2014

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

blogs SAPO

.subscrever feeds